Beatos Dionísio da Natividade e Redento da Cruz

Memória a 29 de Novembro

Os carmelitas, Dionisio e Redento, encontraram-se no ano de 1635, no Convento do Carmo, em Goa. Sem antes se conhecerem, aqui se juntaram para virem a ser os primeiros mártires da família fundada por Santa Teresa de Jesus e S. João da Cruz. O Beato Redento da Cruz é portugês, natural de Cunha,Paredes de Coura, Viana do Castelo. Aqui nasceu em 1598. O seu nome de baptismo foi Tomás Rodrigues da Cunha. Cresceu embalado por sonhos dourados de guerreiro e de glória. Muito jovem ainda dirigiu-se a Lisboa, onde embarcou para a India vindo a ser nomeado capitão pela sua valentia nas batalhas em que tomou parte. Não só devido à sua valentia, mas também à destreza e ao seu espírito afável e temperamento comunicativo e alegre, conquistava as simpatias de quantos o conheciam. Na cidade de Tatá, no reino de Sinde, conheceu os carmelitas descalços que aí tinham uma comunidade. Depressa se sentiu atraído peio estilo de vida destes homens que, seguindo os passos de S. Teresa de Jesus e S. João da Cruz, viviam uma santidade alegre e comunicativa. A princípio, o prior do convento escusou-se a admitir o capitão da guarda de Meliapor pensando que ele não era para aquele género de vida. Mas Tomás Rodrigues da Cunha tanto insistiu que o prior acedeu ao seu pedido deixando-o tomar hábito e iniciar o noviciado. Tomás deixou tudo: a carreira militar, a posição social, a glória e até o nome vindo a chamar-se, desde então, Frei Redento da Cruz.
No ano de 1620, foi fundado o nosso convento do Carmo de Goa, para onde foi enviado Frei Redento, depois de também ter sido frade conventual no convento de Diu. Frei Redento cativava com a sua simpatia e era estimado por todos por ser alegre, simpático e com um grande sentido de humor. Em Goa, deram-lhe o ofício de porteiro e sacristão. No ano de 1600, em França, nasceu Pedro Berthelot. Também este jovem se inclinou para o mar fazendo-se marinheiro apenas com 12 anos de idade. Em 1619, também ele embarca para a India, onde trabalhou para a armada francesa e holandesa, ao serviço de quem se tornou célebre, ascendendo a piloto de caravela. Finalmente colocou-se ao serviço dos portugueses que o nomearam Piloto-mor e Cosmógrafo das Indias. Deixou-se contagiar pelo testemunho do carmelita, Frei Filipe da Santíssima Trindade e decidiu, como ele, fazer-se carmelita. Todos os dias visitava a igreja do Carmo e um dia decidiu tomar hábito. Era a véspera do Natal e recebeu o nome de Frei Dionísio da Natividade.
Em 1636, os holandeses atacaram Goa. O Vice-rei das √≠ndias escreve ao Prior do Carmo pedindo-lhe licen√ßa para o novi√ßo Frei Dion√≠sio comandar as opera√ß√Ķes. O que aconteceu. O Piloto-mor e Cosm√≥grafo das Indias, agora vestido de h√°bito castanho e capa branca e cal√ßando sand√°lias, conduziu a esquadra portuguesa √† vit√≥ria. Em 1638 foi ordenado sacerdote.
O Irm√£o Redento da Cruz continuava o seu of√≠cio de porteiro do convento do Carmo de Goa, enquanto Frei Dion√≠sio se preparava para o sacerd√≥cio. Todos conheciam o porteiro do Carmo e todos o tinham por santo. N√£o perdia ocasi√£o de a todos edificar oferecendo fios, que arrancava do seu h√°bito, √†s pessoas suas amigas, dizendo-lhes que eram rel√≠quias de santo. As pessoas riam-se com Frei Redento, mas ele apenas dizia: ¬ęagora riem-se, mas esperem um pouco e haveis de ter pena de n√£o ter mais rel√≠quias minhas¬Ľ. Deus segredava-lhe ao cora√ß√£o que um dia seria santo. Em 1638 novamente foi solicitado ao Prior dos carmelitas que autorizasse Frei Dion√≠sio a comandar uma nova expedi√ß√£o. Concertadas as coisas, Frei Dion√≠sio escolheu e pediu por companheiro a Frei Redento da Cruz que ao despedir-se da comunidade disse sereno e de bom humor: ¬ęse eu for martirizado pintem-me com os p√©s bem de fora do h√°bito, para que vendo as sand√°lias todos saibam que sou carmelita descal√ßo¬Ľ. Tentaram, as pessoas e benfeitores do convento, impedir por todos os meios a sa√≠da do santo porteiro do Carmo temendo o seu mart√≠rio. Finalmente, como √ļltimo recurso, colocaram-lhe drogas na comida para o adormecerem, mas estas n√£o surtiram efeito. Seguidamente embarcou o santo exclamando: ¬ęvamo-nos que tenho de ser m√°rtir¬Ľ.
De facto, tra√≠dos pelo rei de Achem, a armada portuguesa foi surpreendida e detida. For√ßaram-nos a renegar a f√© mas n√£o conseguiram tal trai√ß√£o a Cristo de nenhum dos 60 prisioneiros. Decidiram o seu mart√≠rio. Muitos dos sessenta prisioneiros eram rapazes jovens. Havia tamb√©m um sacerdote indiano que recusou a liberdade. Frei Redento foi o primeiro a ser martirizado, encorajando os companheiros de mart√≠rio; Frei Dion√≠sio, o √ļltimo para a todos confortar. Era o dia 29 de Novembro de 1638. Quando em Goa se soube do acontecimento, repicaram os sinos na igreja do Carmo como em dia de grande festa e cantaram um Te Deum em ac√ß√£o de gra√ßas.

 

 

Oração

Senhor, nosso Deus,
Que concedestes aos mártires Dionísio da Natividade e Redento da Cruz
a honra e a graça de dar a vida pelo nome de Cristo, infundi em nós a vossa força,
pois somos fracos,
e a exemplo daqueles que morreram corajosamente por vosso amor,
fazei que saibamos mantermo-nos fortes e fiéis
para dar testemunho do vosso amor com a nossa vida.

 

 

ÔĽŅ