Nossa Senhora do Carmo

Solenidade a 16 de Julho

MP3 da m√ļsica "Nossa Senhora do Carmo"(Alentejana)

Os Carmelitas contemplam aquela que é o ideal de vida carmelita, a Virgem Maria, a quem invocamos com o doce título de Senhora do Carmo; recordando o Monte do Carmo, sítio privilegiado onde a nossa família nasceu.
Quando em 1191 Ricardo I reconquista a Terra Santa, um sem n√ļmero de crist√£os, esquecendo a Europa fixam-se nos Lugares Santos, sobretudo em locais de tradi√ß√£o b√≠blica. O Monte Carmelo com o seu sil√™ncio, as suas √°guas vivas, o encanto da vegeta√ß√£o, a vista deliciosa sobre o mar, a solid√£o que apelava para Deus atra√≠ram muitos desses homens para a beleza deste Monte.
Recordavam-se daquela frase do profeta Jeremias que dizia: ¬ęLevar-vos-ei ao Carmo onde saboreareis os seus deliciosos frutos¬Ľ. Recordavam-se do profeta Elias e da nuvenzinha pequenina e fr√°gil que ele vira subir do mar, como s√≠mbolo de Maria. E resolveram construir uma capela em honra de Nossa Senhora que passou a ser conhecida, desde o in√≠cio, como a Senhora do Carmo.
Carmo quer dizer ¬ęjardim de Deus¬Ľ, ¬ęvinha de Deus¬Ľ. Os carmelitas eram as flores do jardim cuidado e protegido por Maria, eram vinha preciosa que Maria diligente trabalhava para dar frutos apetec√≠veis.
No ano de 1251, j√° na Europa, a fam√≠lia do Carmo, √© alvo de persegui√ß√Ķes de v√°rias proveni√™ncias, de dentro e fora da Igreja. S. Sim√£o Stock, VI Geral da Ordem, reza com todos os carmelitas a Maria para que ela lhes acuda.
No dia 16 de Julho, enquanto o Geral reza a oração do Flos Carmeli, vê a Virgem que o anima e lhe promete ajuda, enquanto lhe entrega o Escapulário do Carmo, convidando todos a usá-lo para terem a sua protecção. A partir desta data a devoção à Mãe e Irmã dos carmelitas aumentou dentro e fora da Ordem.
Em Lourdes, Bernardete viu Nossa Senhora v√°rias vezes; a √ļltima apari√ß√£o foi no dia de Nossa Senhora do Carmo, 16 de Julho de 1858. Bernardete declara ter visto nesse dia a Virgem ¬ęt√£o bela e gloriosa como nunca¬Ľ.
Em F√°tima, a √ļltima apari√ß√£o, no dia 13 de Outubro de 1917, foi de Nossa Senhora do Carmo. A Ir. L√ļcia diz que ¬ępor fim lhes apareceu Nossa Senhora do Carmo a aben√ßoar o mundo¬Ľ e imediatamente se deu o in√≠cio do milagre do sol.
Muitos santos, depois da apari√ß√£o de Nossa Senhora do Carmo se quiseram revestir do escapul√°rio ou da medalha para melhor manifestarem o seu amor a Maria e assim serem por Ela protegidos: S. Cl√°udio de la Colombi√®re, Santo Afonso Maria de Lig√≥rio, Santo Ant√≥nio Maria Claret, o Santo Cura d‚ÄôArs, Santa Bernardete, S. Jo√£o Bosco, S. Domingos S√°vio, S. Gabriel das Dores e um inumer√°vel n√ļmero de santos. Para j√° n√£o falar de todos os santos e santas carmelitas, sobretudo Santa Teresa de Jesus e S. Jo√£o da Cruz que sentiam a maior gl√≥ria em usar o h√°bito carmelita da Ordem de Nossa Senhora do Carmo.
Também os papas manifestaram o seu amor ao Escapulário do Carmo. João XXII, no séc. XIV promoveu esta devoção. Nos nossos dias, Leão XIII, Pio XII, João XXIII, Paulo VI e João Paulo II têm manifestado entusiasticamente o seu amor pelo Escapulário e pela devoção a Nossa Senhora do Carmo.
Também os nossos reis, sobretudo os da IV Dinastia, de quem há documentação, usaram o Escapulário e amavam Nossa Senhora do Carmo, a quem tinham muita devoção.


PROPOSTA DE

VIG√ćLIA DE NOSSA SENHORA DO CARMO


C√Ęntico: (Os c√Ęnticos sugeridos foram pensados para uma assembleia juvenil. S√£o apenas indicativos e podem facilmente ser substitu√≠dos)


AV√Č MARIA, GRATIA PLENA
DOMINUS TECUM
BENEDICTA TU!

Neste dia te oferecemos
Temos confiança
Nosso amor e alegria.
no que o Teu amor deixou
Toma, Senhora, a nossa vida,
Olha por nós, Mãe de Jesus,
Avé Maria!
Contigo agora estou.


Introdução:

MARIA, MÃE DO CARMELO

Estamos a celebrar a festa de Nossa Senhora do Carmo. A devo√ß√£o mariana do Carmelo n√£o consiste em alguns exerc√≠cios de piedade particulares, mas sim num modo de viver, numa forma de ser, numa viv√™ncia espiritual, que tem influ√™ncia em todas as nossas ac√ß√Ķes.
O Carmelo considera a Virgem Maria como a sua flor e supremo esplendor. √Č imposs√≠vel falar de devo√ß√£o mariana no Carmelo, sem mencionar o Esc√°pulario. Este √© o s√≠mbolo de toda a riqueza da devo√ß√£o a Maria Sant√≠ssima.
Este s√≠mbolo das cores da Padroeira do Carmelo, √© tamb√©m s√≠mbolo da uni√£o com Maria, da consagra√ß√£o a Maria. Maria convida ‚Äď nos hoje a saber meditar no nosso interior o Mist√©rio de Deus e saber dizer um ‚ÄúSIM‚ÄĚ como Ela.
Maria vem cada um com sede no coração. Temos muitas coisas, mas nada nos enche totalmente.
Tu, que sempre foste luz para aqueles que procuram a Deus, conduz os nossos passos na sua direcção.

Presidente:

Sejamos pois filhos de Maria e que todos os nossos actos tenham um objectivo, além da glorificação de Deus, a glorificação da Virgem Maria. Procuremos imitá-la o mais possível, ela que é a Virgem sem pecado e imploremos o seu auxílio e ofereçamos tudo a Deus por intermédio de Maria.
Comecemos por invocar a ajuda do Espírito Santo para que venha sobre nós tal como fez sobre Maria.

ORAÇÃO AO ESPíRITO SANTO
(As frases ou palavras em mai√ļsculas s√£o declamadas por todos.)

QUEM √ČS TU que me falas sem palavras?
QUEM √ČS TU que me guias sem freio?
QUEM √ČS TU Esp√≠rito que me habitas?
NÃO TE OUÇO com os meus ouvidos,
NÃO TE VEJO com os meus olhos,
mas se me abro à tua essência, Tu me recrias plenamente.
VEM, abrigo protector!
VEM, amigo constante!
VEM, silêncio fecundo!
VEM, força dos meus dias,
guia dos meus passos, construtor do meu ser!
VEM, e abre a minha casa à tua presença infinita!

C√Ęntico:

Inunda o meu ser.
Inunda o meu ser.
Espírito, inunda o meu ser.
Em ondas de amor,
Oh, vem sobre mim!
Espírito inunda o meu ser.

Monição:

Quando deixamos a Maria um espaço no nosso coração, ela aproveita para comunicar o muito que nos ama. Ela fá-lo a sua maneira, dialogando connosco, como o fez no dia em que se apresentou o Anjo do Senhor para anunciar-lhe de que o Filho de Deus ia encarnar no seu ventre e no seu coração.
Maria convida-nos a escutar-nos a Palavra de Deus e a abrir o nosso coração.

DO EVANGELHO SEGUNDO SÃO LUCAS (Lc 1, 26-38)

“Ao sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um homem chamado José, da casa de David; e o nome da virgem era Maria.
Ao entrar em casa dela, o anjo disse-lhe: ¬ęSalve, √≥ cheia de gra√ßa, o Senhor est√° contigo.¬Ľ Ao ouvir estas palavras, ela perturbou-se e inquiria de si pr√≥pria o que significava tal sauda√ß√£o.
Disse-lhe o anjo: ¬ęMaria, n√£o temas, pois achaste gra√ßa diante de Deus. H√°s-de conceber no teu seio e dar √† luz um filho, ao qual por√°s o nome de Jesus. Ser√° grande e vai chamar-se Filho do Alt√≠ssimo. O Senhor Deus vai dar-lhe o trono de seu pai David, reinar√° eternamente sobre a casa de Jacob e o seu reinado n√£o ter√° fim.¬Ľ Maria disse ao anjo: ¬ęComo ser√° isso, se eu n√£o conhe√ßo homem?¬Ľ O anjo respondeu-lhe: ¬ęO Esp√≠rito Santo vir√° sobre ti e a for√ßa do Alt√≠ssimo estender√° sobre ti a sua sombra. Por isso, aquele que vai nascer √© Santo e ser√° chamado Filho de Deus.
Também a tua parente Isabel concebeu um filho na sua velhice e já está no sexto mês, ela, a quem chamavam estéril, porque nada é impossível a Deus.
Maria disse, ent√£o: ¬ęEis a serva do Senhor, fa√ßa-se em mim segundo a tua palavra.¬Ľ E o anjo retirou-se de junto dela.‚ÄĚ (Lc 1, 26-38)

SILÊNCIO

PRIMEIRA AVE MARIA:
COMO SER√Ā ISSO SE EU N√ÉO CONHE√áO HOMEM?

Quando chegou a plenitude dos tempos, querendo Deus enviar ao mundo o seu Filho feito homem, enviou primeiro Gabriel, como seu mensageiro, a uma cidade da Galileia chamada Nazaré, a uma virgem chamada Maria, que estava noiva de José. Maria ficou perplexa com o convite de Deus para ser mãe do seu Filho. E a Virgem com toda a humildade, mas também com todo o à-vontade pergunta ao Anjo:
-Como será isso se eu não conheço homem?
√ď Virgem eleita de Deus, escolhida desde toda a eternidade! V√≥s n√£o vos estranhastes por ver um anjo, mas Vos sobressaltastes por serdes escolhidas para M√£e do Filho do Alt√≠ssimo. Acompanhai-nos nos caminhos da f√©, e quando as d√ļvidas da incerteza e as noites escuras nos assaltarem recordai-nos que √© na ora√ß√£o e no di√°logo com Deus e com os irm√£os que todas as d√ļvidas se esfumam.

C√Ęntico:

Nossa Senhora do Sim
maravilha Virgem M√£e
Cuida Maria de mim
e que eu diga sim também

Chamou o Anjo de Deus
Maria n√£o tenhas medo
Ser√°s M√£e do Filho Eterno
eis revelado o Segredo

SEGUNDA AVE MARIA:
FAÇA-SE EM MIM SEGUNDO A VOSSA PALAVRA!

O Anjo respondeu à Virgem que o Espírito Santo viria sobre Ela e que a força do Altíssimo estenderia sobre si a Sua sombra. Por essa razão, o filho que dela haveria de nascer seria chamado Filho de Deus. Diante do esclarecimento prestado pelo Anjo a Virgem respondeu com a sua entrega incondicional ao plano divino que, desde sempre, a tinha escolhido para esta missão:
- Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra, foram as palavras da Virgem. E o maior mistério da história da humanidade teve lugar no seu seio.
√ď Virgem digna de todo o louvor! Por esta vossa palavra se consuma em V√≥s o mais feliz momento da hist√≥ria humana. No vosso seio virgem o c√©u abra√ßa a terra, e a terra abre-se √† grandeza de Deus. Eis a feliz not√≠cia: o Filho do Alt√≠ssimo faz-se carne da nossa carne! Ajudai-nos a tomar sempre consci√™ncia de que Deus tamb√©m vive em n√≥s, comungando as nossas alegrias e dores, os nossos anseios e esperan√ßas. Que convosco e como V√≥s saibamos adorar este santo mist√©rio.

C√Ęntico:

Nossa Senhora do Sim
maravilha Virgem M√£e
Cuida Maria de mim
e que eu diga sim também

Com ela a Igreja toda
responde que sim a Deus
E com Maria proclame
nova terra e novos céus

TERCEIRA AVE MARIA: MAGNIFICAT

Na Anuncia√ß√£o Maria ficou tamb√©m a saber que a sua velha prima Isabel se encontrava gr√°vida por gra√ßa de Deus. Depois da Incarna√ß√£o, Maria dirigiu-se apressadamente para casa da sua prima, que ficava numa cidade das montanhas de Jud√°. Quando as primas se saudaram, Isabel declarou-a bendita entre as mulheres e bendito o fruto do seu ventre. Contrastando com o seu habitual sil√™ncio Maria prorrompeu num maravilhoso c√Ęntico de ac√ß√£o de gra√ßas.
Cantemos com Maria:

Magnificat, Magnificat, Magnificat
Anima mea dominum.
Magnificat, Magnificat, Magnificat
Anima mea.

A minha alma glorifica ao Senhor
e o meu esp√≠rito se alegra em Deus, meu Salvador. Porque p√īs os olhos na humildade da sua serva:
de hoje em diante me chamar√£o bem-aventurada todas as gera√ß√Ķes.
O Todo-Poderoso fez em mim maravilhas: Santo é o seu nome.
A sua misericórdia se estende de geração em geração sobre aqueles que o temem.
Manifestou o poder do seu braço e dispersou os soberbos.
Derrubou os poderosos de seus tronos e exaltou os humildes.
Aos famintos encheu de bens e aos ricos despediu de m√£os vazias.
Acolheu a Israel, seu servo, lembrado da sua misericórdia, como tinha prometido a nossos pais,
a Abraão e à sua descendência para sempre.

QUARTA AVE MARIA:
FILHO, PORQUE PROCEDESTE ASSIM CONNOSCO?

Quando o Menino Jesus fez os doze anos seus pais levaram-n 'O a Jerusalém, pela festa da Páscoa. Terminada a festa, no regresso, o Menino, sem eles saberem, ficou em Jerusalém. Quando disso se aperceberam regressaram apressadamente à Cidade Santa. E passados três dias de sofrimento encontraram o Menino Jesus no Templo, entre os doutores da Lei, ora perguntando ora respondendo. A Mãe quando viu Jesus sentado entre os sábios e estranhando vê-lo assim, perguntou aflita:
-Filho, porque nos fizeste isto?
Olha que teu pai e eu andávamos aflitos à tua procura.
√ď Virgem M√£e das Dores! Quantos sofrimentos Vos causou a fidelidade √† Palavra de Deus? Sofreste por causa da desconfian√ßa de Jos√©; com os inc√≥modos da viagem para Bel√©m; com a aus√™ncia de lugar na hospedaria quando se aproximava o nascimento do Redentor; com a profecia do Santo Velho Sime√£o anunciando-vos uma espada de dor que vos atravessaria a alma; com a fuga nocturna para o Egipto; com a matan√ßa dos Santos Inocentes; com a perda do vosso Menino em Jerusal√©m; com a vida p√ļblica de vosso Filho; e, sobretudo, com a Sua dolorosa Paix√£o com que nos salvou. √ď M√£e da esperan√ßa, volvei a n√≥s os vossos olhos misericordiosos quando por V√≥s suspiramos neste vale de l√°grimas.

C√Ęntico: Salv√© Rainha,
Salvé Rainha,
rogai por nós
√ď Maria!

QUINTA AV√Č MARIA: N√ÉO T√äM VINHO!

No terceiro dia da vida p√ļblica de Jesus houve um casamento em Can√° da Galileia. Maria estava presente, Jesus e os seus disc√≠pulos tamb√©m foram convidados para a boda. A meio da boda faltou o vinho. Maria como m√£e atenta apercebeu-se do embara√ßo e consequente vergonha dos noivos. Procurando remediar a situa√ß√£o aproximou-se de Jesus e disse-Lhe:
-Não têm vinho!
√ď Rainha da Paz, contemplai o nosso mundo onde falta o vinho de Deus, vinho de amor e de alegria, vinho de paz e de justi√ßa, vinho de compreens√£o e de entendimento, vinho de p√£o e de verdade para todos! Vosso Filho incarnou em V√≥s e veio a este mundo trazer-nos o vinho do c√©u, para transformar a nossa terra numa vinha nova. Ajudai-nos, √≥ Maria, a construirmos com Jesus e convosco os novos c√©us e a nova terra que a Sant√≠ssima Trindade quer instaurar no mundo.

C√Ęntico: Maria de Nazar√©

Maria de Nazaré, Maria me cativou;
Fez mais forte a minha fé
E por filho me adoptou.

Maria que fez o Cristo falar,
Maria que fez Jesus caminhar,
Maria que s√≥ viveu p¬īra seu Deus,
Maria do povo meu.

Avé Maria, Avé Maria, Avé Maria, Avé Maria

SEXTA AV√Č MARIA: FAZEI O QUE ELE VOS DISSER.

Jesus ouviu a intercess√£o da M√£e e respondeu que nem Ela nem Ele tinham a ver com a falta de vinho na boda. Depois destas palavras que parecem desinteresse pelas preocupa√ß√Ķes humanas, Jesus justificou-se √† M√£e dizendo que ainda n√£o era chegada a Sua hora. Maria percebeu tudo. N√£o mais se preocupou nem se alterou. Tudo estava nas m√£os de Jesus. Por√©m, porque bem conhecia o seu Filho, aproximou-se dos serventes e disse-lhes com simplicidade e confian√ßa:
-Fazei o que Ele vos disser!
√ď perfeita d√≠scipula de Jesus! √ď intercessora da humanidade! A vossa gl√≥ria n√£o √© ser M√£e de Deus, mas disc√≠pula cumpridora da Palavra. Ensinai-nos tamb√©m hoje o mesmo conselho que destes aos serventes de Can√°, e ajudai-nos a oferecer a √°gua da disponibilidade para com Cristo servirmos o vinho da alegria ao nosso mundo.

C√Ęntico: Quero ser como tu

Quero ser como tu, como tu Maria
Como tu, um dia, como tu Maria

Quero aprender a amar, como tu Maria
Como tu, um dia, como tu Maria

S√ČTIMA AVE MARIA:
O SILÊNCIO, AS PALAVRAS QUE MARIA NÃO DISSE

Segundo os Evangelhos, Maria, como vimos, falou palavras de d√ļvida humana, de aceita√ß√£o da sua miss√£o, de louvor a Deus, de incompreens√£o pela atitude do Menino, de intercess√£o e de conselho. Deve ter falado, outras vezes, palavras que os Evangelhos n√£o guardaram. Por√©m, nos momentos cruciais da nossa salva√ß√£o Maria √© apresentada em atitude silenciosa.
S. Lucas refere-nos duas vezes o sil√™ncio de Maria: logo a seguir ao Nascimento Maria meditava silenciosamente em seu cora√ß√£o, sobre quanto diziam os pastores acerca do Menino; e depois do encontro no Templo, quando se diz que Ela guardava e meditava tudo em seu cora√ß√£o. Esta, sup√Ķe-se, foi a viv√™ncia de Maria durante toda a sua vida. Assim mesmo a encontramos junto √† cruz de Jesus, silenciosamente co-redentora.
√ď Virgem fiel em cuja vida silenciosamente ressoava a Palavra de Deus! Eis a vossa vida: ora√ß√£o e sil√™ncio. Assim Vos contempla e imita a Ordem do Carmo. N√≥s Vos contemplamos orante e silenciosa diante do mist√©rio da cruz. N√≥s Vos contemplamos orante e silenciosa diante do sepulcro do vosso Filho. N√≥s Vos contemplamos radiosa e jubilosa na Ressurrei√ß√£o e na Ascen√ß√£o de Cristo. N√≥s Vos contemplamos no Cen√°culo com os disc√≠pulos de Jesus. Ali, sais ora√ß√£o e sois sil√™ncio. lntercedei por n√≥s para que as nossas palavras, sil√™ncios e ora√ß√Ķes sejam sempre para maior honra e gl√≥ria da Sant√≠ssima Trindade.

C√Ęntico: Maria do sil√™ncio

Maria, o teu silêncio
não é desinteresse.
Est√°s identificada
com Deus Criador.
Deus est√° em ti
e tu est√°s em Deus. (BIS)

MARIA, FAZ-NOS ENTENDER
QUE, APESAR DO TEU SILÊNCIO,
TU EST√ĀS SEMPRE PRESENTE
EM CADA UM DE N√ďS.

Maria, dá-nos o teu silêncio,
d√°-nos tua m√£o,
pois foste a primeira a entender
que só é possível
amar a Deus
sem o coração disperso. (BIS)


SALMO 89 (88)

Hei-de cantar para sempre o amor do Senhor;
a todas as gera√ß√Ķes anunciarei a sua fidelidade.

Proclamarei que o teu amor é para sempre,
e que a tua fidelidade é eterna como o céu.

Fiz uma aliança com o meu eleito,
jurei a David, meu servo:

Estabelecerei a tua descendência para sempre
e o teu trono h√°-de manter-se eternamente‚Äô.¬Ľ

Os céus celebram as tuas maravilhas, Senhor,
e a assembleia dos santos, a tua fidelidade.

Quem, nos céus, poderá comparar-se ao Senhor?
Quem, entre os deuses, se lhe poder√° igualar?

√ď Senhor, Deus do universo, quem √© como Tu?
Est√°s rodeado de firmeza e fidelidade.

Tu dominas a f√ļria dos mares
e amainas as suas ondas embravecidas.

Esmagaste Raab como um cad√°ver,
dispersaste os inimigos com o teu braço poderoso.

O céu é teu, e tua é a terra;
formaste o mundo e tudo o que ele contém.

Tu criaste o Norte e o Sul;
o Tabor e o Hermon cantam o teu nome.

O teu braço é poderoso; a tua mão, robusta;
excelsa é a tua mão direita.

A rectidão e a justiça são a base do teu trono;
o amor e a fidelidade caminham à tua frente.

Feliz da nação que sabe louvar-te, Senhor,
que sabe caminhar na luz do teu rosto.

Em teu nome rejubila a toda a hora
e se gloria com a tua justiça.

Na verdade, Tu és a nossa honra e a nossa força;
com o teu favor alcançaremos a vitória.

O nosso escudo é o Senhor;
o nosso rei é o Santo de Israel!

Bendito seja o Senhor para sempre!
√Āmen! √Āmen!


SILÊNCIO

Monição:

Desde muito cedo a devoção a virgem Maria passa a ser, como outros aspectos da vida da Santa, uma experiência dos seus mistérios, quando Deus faz entrar Santa Teresa em contacto com o mistério de Cristo de tudo o que a Ele pertence.

Na experiência mística teresiana do mistério da Virgem há como uma progressiva contemplação e experiência dos momentos mais importantes da vida da Virgem, segundo a narração evangélica.
Vamos agora escutar o que nos diz a Santa Teresa de Jesus nos Conceitos do Amor de Deus (Cap. 6, 7), sobre a Virgem Maria.

SANTA TERESA DE JESUS FALA-NOS DE MARIA.

“Oh segredos de Deus! Aqui não há senão render entendimentos e pensar que para entender as grandezas de Deus, não valem nada.
Aqui vem a prop√≥sito ajoelharmo-nos como fez a Virgem Nossa Senhora com toda a sabedoria que Deus lhe deu, que perguntou ao anjo quando A saudou: ‚ÄúComo se far√° isto?‚ÄĚ Em dizendo-lhe: ‚ÄúO Esp√≠rito Santo sobrevir√° em ti, e a virtude do Alt√≠ssimo estender√° sobre ti a sua sombra‚ÄĚ, n√£o tratou de mais disputas.
Como quem tinha grande f√© e sabedoria, entendeu logo que, intervindo estas duas coisas, n√£o havia mais que saber nem que duvidar.‚ÄĚ

(Conceitos do Amor de Deus, Cap. 6,7)

Pai-Nosso

Oração Final:

Deus todo-poderoso, que, segundo o que anunciaste pelo anjo, quisestes que o teu Filho se encarnara no seio da Virgem Maria, escuta as nossas s√ļplicas e faz que sintamos a protec√ß√£o da Virgem Maria os que a proclamamos com firmeza M√£e de Deus.

C√Ęntico:

Flos Carmeli,
vitis florigera,
splendor caeli,
Virgo puerpera
singularis.

Mater mitis,
sed viri nescia,
Carmelitis,
esto propitia,
Stella maris.



 

 

 

 

ÔĽŅ